31 de dez de 2015

Sobre 2015

MILITÂNCIA, FORÇA, NEGRITUDE, SONHOS, EXPERIÊNCIAS, PERSPECTIVAS /, JUVENTUDE, CONFERÊNCIAS, INTERVENÇÕES, EVENTOS, VIAGENS, AMIGOS, LAÇOS, ALEGRIA, CHORO, AMOR, PRAIA, VOOS, PACIÊNCIA, OPORTUNIDADES, CARINHO, AUTOCONHECIMENTO,RESSIGNIFICAÇÕES, AXÉ, PAZ, SORRISOS, ESTUDOS, ÁFRICA, PESSOAS, SABERES, VIVÊNCIAS ....

17 de out de 2015

Construção da Identidade Negra

Essas são algumas fotos da oficina maravilhosa Beleza de Preta que acpnteceu no Seminário Internacional Desfazendo Gênero, Salvador- BA. Momento de muitas reflexões e aprendizagens 











19 de jun de 2015

6 de abr de 2015

Sobre os novo afazeres

Muitas coisas têm mudado, e minha forma de pensar tbm.
Estou extremamente feliz porque várias oportunidades surgiram para mim nos últimos meses e sei o quanto estou sendo abençoada por isso tudo!
Consegui passar na seleção de um curso de capacitação que vai acontecer na primeira semana de maio em Brasília (com tudo pago pego pelo governo) e consegui uma bolsa de extensão no Centro de Referência de Direitos Humanos aqui da cidade (comecei hoje la). São tantas coisas, estou desenvolvendo duas pesquisas ultimamente (ou pelo menos tentando) e as vezes tenho a sensação de que meu tempo não da pra nada, mesmo sabendo que a culpa é minha por não saber administrá-lo. Eu deveria ser uma pessoa bem mais organizada, mesmo tudo dando certo no final organização é uma questão chave pra fazer as coisas realmente acontecerem conforme o planejado. 
Só gostaria de dizer que estou muito alegre e grata por tudo e que espero que as coisas continuem dando certo, estou aprendendo bastante com tudo!

3 de fev de 2015

Alguns pensamentos sobre o hoje

Percebo que com o passar dos meses e anos minhas postagens aqui vem diminuindo e se tornando quase inexistentes, não sei se há um verdadeiro culpado nisso tudo porém realmente tudo tem ficado muito corrido do lado de cá. Nem posso acreditar que ano que vem estarei terminando o curso, parecia que era ontem que eu escrevia sobre o ensino médio aqui, todas aquelas aflições de recuperação e etc. 

Hoje muita coisa mudou, as recuperações e coisas do tipo não são mais algo presente em minha vida, mas outros dilemas começaram a surgir, dilemas esses que derivam de uma vida adulta, sim odeio ter que assumir isso só que querendo ou não já sou uma pessoa adulta e isso é muito mais muuuuito chato.

Todas as preocupações agora estão voltadas para a minha carreira profissional e meus sonhos que estão dentro disso, eu pretendo fazer o mestrado de Antropologia Social quando terminar o curso e caso eu não consiga passar na seleção meus planos são fazer outra graduação, provavelmente no curso de História.

O fato de se tornar adulto não isenta o fator "medo" que permeia nossa vida quando somos crianças e adolescentes, e bem talvez isso se torne maior quando se atinge certa idade. Muitas vezes meus medos surgem devido a inseguranças bobas, ainda sou uma pessoa meio insegura, mas mesmo assim eu tento relaxar e pensar positivo. O medo só serve pra nos atrapalhar e é bom mantê-lo longe, mesmo assim as vezes ele serve pra nos frear um pouco e isso é bacana, obviamente na medida certa.

Uma coisa que eu achava muito chata quando tinha meus 14-16 anos era minha falta de "liberdade", meus pais nunca foram de me deixar sair sempre que eu quisesse e pra onde eu quisesse, até compreendo suas preocupações são absolutamente normais, mas isso é chato pra caramba. Hoje em dia eu ganhei um pouquinho mais de liberdade e eu tenho saído mais, talvez por ser mais velha ou algo assim eles estejam confiando mais em mim, ou simplesmente caíram na real que não podem me segurar para sempre.

Quem me conhece sabe que eu sempre dei muita importância a minha vida amorosa e etc, e eu estou perfeitamente bem em relação a isso, eu e Erick estamos namorando a um pouco mais de um ano e somos muito felizes por ter um ao outro. Me deixa muito contente saber que tudo acontece na hora certa, mesmo sabendo que esperar essa "hora certa" nem sempre é fácil, mas precisamos ter paciência e saber esperar por tudo, afinal a maioria de nós precisou esperar nove meses para nascer e inicialmente isso já é bastante tempo de espera não?

Falando desse jeito parece que eu já tenho uns 50 anos, mas também não é assim, éaté engraçado mas eu me acho super velha as vezes, mesmo tendo só duas décadas de vida. Sei que tenho muuuito a aprender e estou disposta a enfrentar todas as coisas que a vida ainda tem para me ofertar e só peço sabedoria para liar com todas as lições que ainda estão por vir.

Ser uma criatura viva aqui nessa terra, que se localiza nessa galáxia, que por sua vez está nesse universo gigantesco é uma verdadeira dádiva, as vezes não imaginamos o quanto somos pequenos e insignificantes no meio de tudo isso, e mesmo assim diariamente praticamos atos que nos fazem parecer os "donos da verdade", somos tão soberbos na maioria das vezes que parece ser invisível aos nossos olhos se perceber como tão pequeninos. 

Que bom seria se todas as noites antes de dormir parássemos para nos avaliar, ou simplesmente pensar sobre nossas condições enquanto seres humanos nesse planeta, que entra mais em colapso a cada minuto que passa. Pensar sobre os rumos que estamos tomando aqui, sobre nossas vidas, e sobre nossa espiritualidade também. Vem me incomodando o fato de eu ter deixado minha espiritualidade um pouco de lado, pois isso realmente me afeta, mas espero em breve voltar a me sintonizar com o divino novamente, a vida é um grande mistério e nós fazemos parte dessa grande obra misteriosa.

Tenho trabalhado ultimamente com a economia solidária e um de seus princípios é a cooperação, a ajuda, a preocupação com o meio ambiente e com a vida, e posso perceber aos poucos o quanto isso é importante para uma sociedade mais justa para todos. Muitas coisas absurdas ainda acontecem atualmente, e isso me entristece quando penso que é tudo culpa nossa. Podemos melhorar o mundo, mas sair do comodismo para muitas pessoas é algo difícil, quebrar paradigmas e certas visões são realmente um grande trabalho de desconstrução de certas ideias e isso é bem complicado que passamos a vida inteira sendo ensinados que a nossa vitória é mais importante que a vitória do vizinho. 

Eu acredito sim que um dia teremos um mundo melhor, onde as pessoas sejam mais conscientes de seus atos e que ponham eles em prática. Um mundo onde as pessoas se amem verdadeiramente e que nossas crianças aprendam em suas escolas que na verdade é a vitória do coletivo que é mais importante, e que o individualismo só serve para nos tornar egoístas e apáticos. Não sei se estarei viva para isso, mas se um dia eu for professora vou tentar pensar essa mensagem para os meus alunos, pois quem vai trazer e fazer essa mudança somos cada um de nós que aos poucos fomos despertando para essa realidade assustadora.

Acredite que você também é capaz de gerar mudanças e um grande passo para essa mudança é se por no lugar do outro, pois só assim podemos compreende-lo melhor, a compreensão é algo indispensável! Ser mais tolerante e menos egoísta é um dos nossos maiores desafios atualmente.

Espero que isso seja diferente um dia, tentarei fazer minha parte e sei que muitas pessoas estão nesse exato momento tentando fazer as suas.  Só tenho a desejar paz e amor ao coração e principalmente a mente de vocês, que a revolução comece dentro de nós.

1 de jan de 2015

O Infinito

[...] Mas para um homem Copérnico podia ir mais além. Seu nome era Giordano Bruno, de natureza rebelde, ele queria romper com aquele universo minúsculo, mesmo quando era um jovem monge dominicano em Nápoles. Já era desajustado, naquela época não havia liberdade de pensamento na Itália, mas Bruno desejava saber tudo sobre a criação divina, desde então ousou ler os livros proibidos pela igreja e essa foi a sua ruína. Em um desses livros, um antigo romano,  que estava morto a mais de 1500 anos lhe contou sobre um universo muito maior, tão ilimitado quando sua ideia de Deus. Lucrécio pediu ao  leitor que se imaginasse parado na beira do universo e que atirasse uma flecha para frente, se a flecha não parasse então era óbvio que o universo se estendia além do que aquilo que se imaginou ser a beira, mas se a flecha não continuasse, digamos que batesse num muro, então o muro ficaria além daquilo que se imaginava ser a beira do universo. Agora se você subisse naquele muro e atirasse outra flecha novamente só há dois resultados possíveis, ou ela voa para sempre pelo espaço ou bate em algum limite em que você pode subir e atirar outra flecha, de qualquer forma o universo não tem limites. O Cosmos deve ser infinito. Essa ideia fez total sentido para Bruno, o Deus que ele adorava era infinito. Então pensou ele: Como a criação poderia ser algo menor?
[...] Aos 30 anos ele teve a visão que selou o seu destino, nesse sonho ele acordou  num mundo contido dentro de uma tigela limitante de estrelas, esse era o cosmos da época de Bruno. Ele teve uma sensação momentânea de medo, como se a base de tudo estivesse desaparecendo sob seus pés, mas recuperou a coragem. 
         "Abri asas confiantes no espaço e elevei-me em direção ao infinito, deixando para trás tudo o que os outros se esforçavam para ver ao longe. Aqui não há em cima, em baixo, não há beira nem centro, eu vi que o sol era só outra estrela e que as estrelas eram outros sois. Cada um deles acompanhado por outras terras como a nossa, a revelação dessa imensidão foi como se... apaixonar. "
Bruno tornou-se pregador, propagando o evangelho do infinito por toda a Europa, ele pensou que outros adoradores de Deus naturalmente abraçariam essa visão maior e mais gloriosa da criação.
"Mas que tolo fui eu!"
Ele foi excomungado pela igreja católica Romana em sua pátria , expulso pelos calvinistas na Suíça, e pelos luteranos na Alemanha. 
[...] "O Deus de vocês é muito pequeno! . " 
- Cosmos: Odisseia no espaço.