3 de mai de 2013

Água Marinha

Tão grande, tão pequena
Sozinha é a água marinha
Com os outros, só ausência.

Seu valor precioso se torna pequeno

Quando vê que poderia ter nascido grande
Entre as grandes pedras é só água marinha

Vive feliz com seu brilho pequeno

Não tem culpa de cintilar tão pouco
E fica triste por isso

Na verdade queria ter nascido maior 

Não queria ser nem diamante nem rubi
Antes fosse uma pedra de meio de rua

Achada entre tantas outras

Cuidada por mãos afáveis
Cortada por mãos que corrigem
Polida para brilhar acima das comuns

Na coleção da bela senhora as outras dormem

                                         [um sono tranquilo
A pequena marinha se distingue
Por saber quem é.

Carlos Barata

Nenhum comentário:

Postar um comentário