30 de jul de 2013

Berenice e eu

Berenice era linda e inacreditável, não tinha como não se apaixonar por ela. Seus olhos eram grandes e negros e sua pele branca como a neve, tinha longos cabelos encaracolados e castanhos e cativava com facilidade. Sua inteligência era apenas mais um de seus atributos, adorava ler e escrevia como ninguém.
 Berenice era linda, Berenice era Bela.
Os tempos passavam e eu continuava a admirar Berenice de longe, talvez ela nunca me notasse, talvez ela nunca me visse. Que sorriso lindo tinha, era como se todo o sol se refletisse ali. Os atros nunca poderão brilhar como Berenice brilhava, para mim. Em nossa escola ela não tinha muitos amigos, passava a tarde inteira mergulhada em seus livros de poesia, me perguntava se um dia eu iria poder escrever poemas para ela, poemas que descrevessem tamanha beleza e simpatia. Eu ficava olhando e me enchia de alegria ao vê-la sorrindo docemente, olhando para os lados só para ver se ninguém a notava.Como não notar? Como não perceber aqueles olhos enormes? Aquele cabelo que caia quase até sua cintura? 
Berenice era linda, Berenice era bela.
Certo dia, estava sentado onde sempre costumei ficar para observá-la e percebi que ali já não estava mais. Para onde teria ido minha Berenice? Passaram cerca de dez minutos e quando o intervalo estava quase se esgotando vi aquela imagem. Aquilo seria Berenice? Não poderia ser! 
Já não irradiava mais tanta alegria, seus olhos estavam tristes e percebi alguns cortes em seu braço. Minha vontade foi de sair correndo ao seu encontro, mas sabia que ela nunca me daria bola. Berenice não tinha muitos amigos, assim como eu e fiquei com muita dó ao vê-la naquele estado. O que aconteceu com ela? Me perguntei, tudo parecia estranho.
Berenice estava triste, Berenice ainda assim era bela.
Duas semanas se passaram e eu não a tinha visto mais. Será que tinha sido tão grave assim? Teria Berenice saído da escola? Meu coração ficava apertado a cada dia que se passava e eu permanecia sem contemplá-la. Juntei todas a minha coragem, vou me declarar para Berenice!
Escrevi uma pequena carta e decidi colocá-la dentro de um de seus livros, mas onde ela estava?
No dia seguinte ela apareceu. Eu estava nervoso e não conseguia nem pensar direito, só imaginava como seria sua reação ao ler a carta. 
Berenice me deixava nervoso, e isso a tornava ainda mais bela.
Quando por um breve instante Berenice deixou seus livros para ir ao banheiro, com isso me apressei para pôr a carta dentro de um de seus livros. Tudo certo, agora ela iria saber o que eu sentia.
Ela voltou, pegou seus livros e se foi.
Fiquei um pouco triste, mas sabia que uma hora ela iria ler a carta. Aguardei ansioso o dia seguinte.
Passaram-se as aulas e tocou para o intervalo, meu estômago estava embrulhado, fui correndo para o lugar de sempre e la estava. Ela parecia estar esperando por alguém, fiquei com um certo pânico, será que ela tinha lido minha carta? Fui andando de vagar para ver se aparecia alguém, ela estava parada exatamente no lugar onde eu costumava ficar e isso me deu certo receio. Como ela sabia?
Me aproximei e logo ela me viu, que lindo rosto, que lindos olhos!
Como era amável minha Berenice, ela sorriu e me encarou.
Ela chegou mais perto, eu estava completamente paralisado. Com seus olhos grandes ela me olhou mansamente e perguntou: 
-Foi você que escreveu a carta?
Por cerca de um minuto fiquei em silêncio, imaginei o quanto tinha esperado por aquele momento, o número de horas que fiquei pensando em seu sorriso. Qual seria o cheiro de seu cabelo? 
Finalmente voltando disse que sim, tinha sido eu.
- Algumas vezes percebi que você sentava aqui e me olhava, eu sempre achei engraçado, você deveria ter falado comigo antes!
Eu estava perplexo, ela não demonstrava nem um pouco de timidez, como se soubesse de tudo que ia acontecer em seguida.
Berenice tinha o controle de tudo a sua volta, Berenice era bela.
Conversamos por cerca de mais 7 minutos, Berenice sorria com facilidade e parecia um anjo. Eu estava muito desajeitado.
- Bem, eu acho que aula já vai começar... Odeio as matérias de cálculo!
Mais uma coisa em comum tínhamos entre nós.
- Eu também não gosto muito de números.
-Então vamos dar uma volta.
Disse ela segurando minha mão e me puxando para o parque. Achei aquilo incrível.
Estava perto do sol se pôr quando Berenice sentou no balanço, nossas conversas foram sobre todos os tipos de assuntos, ela se posicionava muito bem diante de todos, era muito inteligente.
Sentei no outro balanço e quando me virei lá estava ela me olhando, parecia que seus olhos estavam brilhando, ela sorriu.
Naquele momento ela já sabia o que eu sentia e disse: Também gosto de você!
Ela se aproximou, cada vez mais, seu nariz estava quase tocando o meu e percebi quando ela fechou os olhos. Fiquei sem reação e da mesma forma fechei meus olhos e quando estava prestes a beijá-la percebi que os sons estavam ficando distantes, acontecia isso com os apaixonados? Senti um forte clarão e abri os olhos, onde estava Berenice? 
Frodo, meu gato, estava em cima de mim e lambia minha testa. Olhei pro lado e percebi que mais uma vez o despertador não tinha funcionado.
Foi apenas mais um dos meus sonhos com Ela, Droga!

W.S

Nenhum comentário:

Postar um comentário